Sabemos que no vinho existem os flavonóides, que são os grandes responsáveis pelo efeito benéfico cardiovascular relacionado ao VINHO. O segredo é a redução da inflamação!

Aí fica a dúvida: Toda bebida possui essa “vantagem” – quem não gosta de vinho, é hora de começar a gostar? Vamos falar disso...

TEM HISTÓRIA...

Dos 5 estudos que cito hoje, o mais antigo é de 1977, e o mais recente, 2013. São mais de 5 décadas de dados. Vinho, cerveja e destilados (“spirits”) foram estudados em diferentes populações – Italia e Europa Central, Leste Europeu, EUA - Infelizmente, apenas 2 estudos prospectivos, sendo que apenas um intervencionista, ou seja, que comparou 2 grupos, com a única diferença que um ingeria álcool e outro não.

Os resultados, surpreendentemente, ao longo das décadas e independentemente de  o estudo ser observacional ou não, mostraram conclusões semelhantes:

1-      Ingerir álcool com moderação diminui a chance de doenças cardíacas comparativamente a quem não bebe e também quem bebe mais do que deveria.

2-      Essa associação aconteceu por uma redução do risco de infarto ou morte cardíaca de 13 a 49%  -> depende da localização e população. A maior redução aconteceu na Alemanha e a menor na Itália.

3-      Todas as bebidas (destilados, cerveja e vinho) demonstraram redução na mortalidade se consumidas de maneira moderada em comparação com quem não bebe.

4-      Estudo dinamarquês que comparou as 3 bebidas entre si mostrou vantagem do vinho!



CONCLUSÃO

Se for para beber: Não exagere (nem dirija), e se tiver que escolher, prefira vinho!